terça-feira, 13 de outubro de 2009

Uma pincelada em torno da Vidência....

Hoje fiquei parada na frente do caderno, pensando no que escrever nessa data tão especial. Nada me vinha à cabeça. Mas espero escreve algo que seja do agrado de vocês.

Primeiramente quero explicar-lhes o por quê desta data ser tão especial... é que hoje passam dos 1.000 visitantes nosso Santuário. Quero deixá-los cientes de minha gratidão e euforia, vocês são mais que de mais!!!

Hoje eu vou falar de uma coisa muito interessante, que tenho certeza de que vocês já tiveram experiência, ou conheceu alguém que já tenha tido: vidência.

Eu costumo classificar a vidência das seguintes formas:
Justificar
- vidência nata;
- vidência sensitiva;
- vidência intuitiva.

Vidência Nata:

É aquela que já nasce com certos indivíduos. É quando alguém realmente vê a alma de outra pessoa ou situações vividas em alguns lugares.

Esse tipo de pessoa tem um feeling para este tipo de coisa – em outras palavras, um DOM – que lhe permite ver, e/ou perceber as coisas já acontecidas, ou que irão acontecer.

Esse tipo de médium raramente usará instrumentos que ou auxiliem. Mas é comum vê-los fazendo feitiços, meditações, ou qualquer coisa que o agude “aguçar” mais seu dom.

Vidência Sensitiva:

São pessoas mais sensíveis ao mundo espiritual e as “mudanças” a sua volta. Raramente esse tipo de vidente vê realmente algo, mas ele pode ouvir espíritos lhe contando sobre aquilo que ele deseja saber.

Esse tipo de vidente também tem o dom de sentir algo que já tenha ocorrido (ou que irá ocorrer), mas diferente dos primeiros, eles observam toda a atmosfera a sua volta.

São bastante passíveis a erros e vulneráveis a espíritos hostis. Por isso, sempre estão a procura de feitiços de proteção. É comum vê-los trabalhando com instrumentos como tarô, búzios, runas etc... tem em comum com os videntes natos uma estranha conexão com os outros planos, apesar de só poder senti-lo.

Vidência Intuitiva:


São os “entrusos” no mundo da vidência. Geralmente esses videntes só tem essa percepção com pessoas e situações específicas.

É muito comum às mães... quem nunca ouviu a mãe dizendo: “Meu filho não vai àquele lugar, algo me diz que você não deve ir” e quando você teimou e foi, algo ruim aconteceu.
Isso é o exemplo mais comum de vidência intuitiva. Ela não é um dom, mas um aviso de espíritos protetores à pessoa mais sensível e próxima do “afetado”.

Espero que tenham entendido e gostado do post d hoje...

Beijinhos e abençoados sejam!!!



2 comentários:

Postar um comentário