quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Relacionamentos...

Nós que tivemos criação cristã, dentro de igrejas, sempre ouvimos os padres (principalmente, pastores) pregando que não é correto uma menina, ou rapaz, namorar um “não membro”. Quando nos afastamos da igreja e entramos em outra religião, ficamos nos perguntando se é correto nos relacionarmos com os não praticantes de nossa Arte.

Eu sei, porque passei vários anos pensando sobre isso. Não entrava na minha cabeça que um praticante de uma religião A, pudesse manter um relacionamento com o praticante de uma religião B. Não só pela religião em si, mas pela divergência de opiniões.

Imagine a seguinte situação: você é membro(a) da uma igreja evangélica, seu marido (ou esposa) é católico(a). E vocês tem um filho. Ambos irão querer batizar a criança, e aí? Quem batiza?

Uma situação complicada... Isso aconteceu com uma tia minha... O que ela fez?

Ela conversou com o pastor da igreja, ele aceitou que ela “apresentasse” a minha prima na igreja dela (na igreja evangélica os bebês não são batizados, por não terem pecados, então, são apresentados a Deus) e depois, ela poderia deixá-la ser batizada na igreja católica, sem o menor problema. Uma decisão sábia!

Esse rodeio todo para falar de relacionamento de pagãos com não pagãos...

Eu sou wicca, meu noivo ateu! Damos super certo!

Segredo?

Simples... Conversamos sobre religião, como dois estudiosos, não (eu) como religiosa e (ele) contestador.

Por exemplo, quando surgiu o assunto “CASAMENTO”, pulei na frente e falei: “Sem possibilidades de casarmos na igreja, mas se você fizer questão, por causa da sua mãe, a gente casa antes na minha religião e depois casamos na religião dela, o que você acha?”. Ele entendeu a minha posição, sugeriu que casássemos no cartório, para a família de ambos, e que fizéssemos nosso casamento religioso, só eu, ele e os sacerdotes. Viu só como é simples!

Tudo é uma questão de entendimento, você não pode fazer pirraça, pois deve haver entendimento e consenso, para haver harmonia! Nada prospera sem harmonia, principalmente quando se trata de relacionamento.

Uma outra dúvida é: “Devo fazer rituais com meu companheiro (a), mesmo ele não sendo praticante?”

Confesso a vocês que eu mesma adoraria fazer algum ritual, principalmente Sabat, com a participação dele. Mas não se esqueçam de que a magia é uma força sutil, programada de acordo com a sua intenção. Se uma pessoa pratica magia, mas não acredita nela, ou a faz pensando que ela não dará certo, logo, ela não surtirá o efeito desejado, ou não dará certo!

NÃO é proibido um não praticante participar de um ritual. Mas você deve pensar muito bem antes de convidar uma pessoa, para praticar magia contigo. Uma magia errada, pode ter efeitos colaterais, e você precisa deixar bem claro que isso pode acontecer. Além de você precisar saber se a pessoa que irá praticar o ato contigo está preparada, ou não... é complexo!

Por esse motivo eu opto por não convidar ninguém! Se uma pessoa quer estudar e discutir um assunto, a gente senta e o faz. Mas na hora de fazer um ritual, aí é com a pessoa!

Caso vocês não queiram adotar esse tipo de postura, aconselho que escolha bem o ritual, o local e observe muito a pessoa que irá acompanhá-lo.

No mais, sem o menor problema!! A religiosidade é liberdade!! Viva-a com responsabilidade!!!

Beijinhos e bênçãos


Esses somos eu e meu noivo!!!

2 comentários:

Postar um comentário