quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Intolerância religiosa, como lidar e como não praticar...

Oi gente!

Nossa eu sei que tenho andado meio relapsa com vocês, mas é por um bom motivo! Estou à caça de um livros super interessantes e em breve terei o prazer de estar\trazendo a vocês temas super legais, então não percam!

Hoje vou falar de um assunto muito delicado, já escrevi há algum tempo em um artigo e estou publicando aqui hoje:


Intolerância religiosa, como lidar e como não praticar...


Mocinhos e mocinhas que lerem isso: cuidado com a intolerância! Eu sou do signo de libra, o signo da justiça, vocês nem imaginam o quanto me revolta quando leio sobre a “diabólica” inquisição, quando comecei a descobrir as datas ditas cristãs e que não passam de celebrações pagãs, quando vejo os filmes de Wall Disney caluniando a imagem das bruxas, bem como todos os seres humanos não-pagãos que vêem nossa religião como um culto satânico, ou qualquer coisa que tente desmoralizar a imagem do paganismo. Mas quando a revolta cresce a um ponto que se torna quase incontrolável, conto até um milhão, se for preciso, e penso em todos os séculos de cultura equivocada que nos denigre que nos torna os vilões da existência humana e que esses “novos cristãos” não tem conhecimento, isso já se tornou cultura, afinal, quem gosta da bruxa nojenta da Cinderela, Rapunzel (entre outras)? A intolerância é um assunto muito delicado e por isso, é que vou abordar os dois lados da moeda:

1º. Cristãos:

Os cristãos são a grande maioria, isso é fato, eles sempre mascaram as verdadeiras intenções e as verdades pagãs, isso também é fato, mas o fato mais relevante disso tudo é: o ser humano teme tudo aquilo que desconhece e, é muito preguiçoso para tentar conhecer. Tudo aquilo que tememos tendemos repelir. Portanto, não tenha tanta raiva dos cristãos por não conhecerem nem tentarem conhecer nossa religião.

Os cristãos têm como verdade somente a sua religião e somente o seu Deus, pois assim lhes foram ensinados, sua concepção de vida está baseada no pecado e na culpa, numa verdade imutável e única.

Em nenhum momento o catolicismo se preocupou com as contradições e questionamentos humanos, no inicio do catolicismo a única preocupação deles eram atrair fiéis por meio da vida transcendental e de penitências e, como já disse anteriormente, isso se torna uma bola de neve que cresce e que desaba em cima das gerações resultando assim, nessa falta de diálogo e tolerância com qualquer coisa que fuja dos padrões bíblicos.

Ninguém pensa na quantidade de pessoas que já foram mortas na ditas “guerras santas”, naquelas que morreram só por ter visões religiosas diferentes da “ditadura religiosa” em que vivemos até nos dias atuais, claro que de forma inconsciente.

Gente! Isso não é uma questão de escolha consciente, é uma questão cultural, as pessoas só não simpatizam com nossas idéias e nos condenam porque em algum momento em suas vidas lhes foi dito que isso era feio, que não era certo, e isso os fizeram repelir qualquer idéia não cristã, não podemos culpar as pessoas por ignorarem fatos. Não podemos abrir as suas cabeças e colocar nossas verdades, porque essas verdades são nossas!

Você já parou para pensar em quanto tempo você viveu na escuridão da ignorância como eles?

Eu já parei, e me senti desconfortável com isso! Parem um pouco e pensem sobre isso, hoje você é cara, mas algum dia você pode ter sido coroa, você abriu os olhos e viu que talvez houvesse algo mais e resolveu procurar, estudar e compreender, que bom pra você, espero sinceramente que isso esteja te fazendo bem e te acrescentado, mas se as outras pessoas não têm o discernimento que você tem, paciência! Viva bem a sua vida e deixe que os outros vivam bem as deles.

2º. O Pagão:

Ao contrário do que se pensa, Paganismo nada tem a ver com o culto ao demônio - até porque o demônio não passa de uma invenção das tradições judaico-cristãs. A palavra "PAGÃO" vem do latim "paganus", que é aquele que mora no "pagus", no campo, na Natureza. Assim, pode-se dizer que, em termos religiosos, o Paganismo é o culto e o respeito às forças da Natureza.

Para o Pagão, toda a Natureza é viva, é Sagrada - e seus deuses e deusas refletem essa crença, oferecendo conforto e equilíbrio àqueles que compreendem o real significado de se respeitar a Natureza.

Muitos equívocos são propagados quanto ao real sentido da palavra "paganismo", por dicionários, enciclopédias e até mesmo por seus seguidores. Em alguns casos, o termo pagão é empregue como sinônimo de não-cristão - o que é um grande erro, pois assim se incluiriam religiões como o Judaísmo, o Islã e outras, as quais não possuem componentes distintamente "pagãos" no sentido real da palavra - ou seja, de respeito à Natureza.

Em outros verbetes, um "pagão" é aquele que ainda não foi batizado no cristianismo. Em outros mais, os termos "paganismo" e "ateísmo" são confundidos, pois ateu é aquele que não crê em nada, não possui religião - bem diferente da noção de paganismo enquanto caminho religioso.

Mas quem são os pagãos? Originalmente, esse termo era empregue para diferenciar os seguidores das religiões da Terra, dos muitos deuses e deusas da Natureza. É este o sentido que adotamos quando utilizamos o termo "paganismo".

Assim, costumamos nos referir às culturas pré-cristãs da Europa e das Américas (apenas como exemplos clássicos) como "culturas pagãs". Poucas pessoas hoje em dia ainda mantêm um contato direto com as tradições originais do Paganismo, daí a necessidade de se diferenciar o Paganismo original - surgido na Antigüidade - do novo paganismo, representado por diversas correntes recentes. Para que tal diferenciação seja bem clara e cristalina, muitos autores e pesquisadores optam por utilizar o termo neo-pagão, ou seja, os novos pagãos - aqueles que seguem tradições filosófico-espirituais inspiradas nos ensinamentos e valores das Antigas Religiões. Dentre estas correntes neo-pagãs, sem dúvida duas ganham destaque: a wicca e o neo-druidismo. (Texto de Cláudio Quintino (Crow), autor de "O Livro da Mitologia Celta")

Vivemos há, mais ou menos, dois mil anos de perseguições, aproximadamente 90% das datas cristãs foram adaptações de datas pagãs, somos rotulados de adoradores de satanás, homossexuais, proibidos de fazer nossos rituais em lugares públicos de grande movimentação, somos vítimas de agressões físicas e verbais entre outras coisas.

Perante isso tudo, lhes pergunto: é realmente essa a religião que você escolheu? Você se sente bem adorando os antigos Deuses?

Você se sente satisfeito estudar, compreender e achar as respostas para todas as suas questões existenciais? Você se sente feliz em ser pagão? Você se sente um ser melhor? Você se sente completo, religiosamente falando? Se sua resposta para todas essas perguntas for “sim”, por que se preocupar com questões tão pequenas de aceitação?

O segredo da aceitação é só um: aceite-se, que as outras pessoas iram te aceitar também! Quem busca muita aceitação nos outros é porque ainda não se aceitou e para você se aceitar a receita é só uma também: pare tudo! Sente-se consigo mesmo e ouça a voz que vem da sua alma, procure refletir em tudo que fez e que faz e veja como seu espírito reage, a resposta está dentro de você, nem eu, nem ninguém, nem mesmo o feitiço mais poderoso poderá te mostrar o caminho para seguir, a resposta sempre está, estará ou esteve dentro de você. Procure se conhecer, conhecer sua religião e conhecer àquilo que contesta e o resto aparece... sempre aparece! E quando não aparecer peça aos Deuses que lhe abram os olhos para enxergar, que com certeza, eles iram abrir. Leia a bíblia, o alcorão, a tora e qualquer livro “sagrado” porque sempre que lhe questionarem sua religião e perguntarem o que você sabe das outras, você não será mais um “entrujão” e realmente saberá o que está falando. Sem contar que, sempre existem coisas para serem guardadas, coisas boas a serem aprendidas e guardadas mesmo que não sejam de sua religião.

Sempre que um cristão falar que irá orar, ou rezar, por você aceite. Pois nunca se esqueça que todos os deuses são um só Deus e que todas as deusas também são só uma deusa e que ambos são a energia criadora do universo. Sendo assim, um cristão é, de certa forma, um pagão!

Somos todos irmãos e parte de uma energia criadora e o resto é o resto. Quero deixar bem claro que aqui não digo que os pagãos são melhores que os cristãos, ou vice-versa, estou dizendo apenas que: somos parte de uma energia criadora, todos nós (eu, você, seu cachorro, sua plantinha, as moscas, a lua, o sol, etc.).

Costumo dizer que nossa religião requer mais procura, como uma forma de teste para só aqueles que a buscam verdadeiramente a encontrem, todos nós pagãos sabemos que é muito difícil encontrar livros, sites ou até mesmo pessoas comprometidas verdadeiramente com o paganismo, seja ele qual for, e por isso não devemos ser ignorantes e recusarmos a aceitar uma outra religião mais simples, ou mais complexa, e descrimina-la, já que somos tão descriminados, temos que aprender a ouvir absorver o que nos é útil e descartar o que não é, compreender e respeitar todas as verdades humanas, mesmo que essas não sejam as suas verdades, pois as únicas verdades universais e imutáveis são as das forças naturais (chuva, sol, noite, dia, nascer, morrer etc.), logo, todas as verdades são verdades, o que pode ocorrer é que não sejam a sua verdade, mas ainda assim serão verdades!

Espero que tenham gostado e que isso ajudem a vocês em suas vidas!


Abençoados sejam e até a próxima...


9 comentários:

Postar um comentário