quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Mais um pouquinho de mim...

Poxa gente, peço-lhes perdão por não conseguir escrever alguma daquelas coisas que eu costumo a escrever, mas não tenho andado muito bem, como vocês tem percebido, não estou muito boa para escrever. Eu não consigo sentar na frente do computador, ou sentar com meus amigos, e fingir que nada está acontecendo.

Bem, mas espero falar um pouco para vocês sobre como eu comecei a trilhar esse caminho, também li um comentário de uma pessoa que está seguindo esse caminho e usando meu blog como uma das formas de conhecimento. Fico feliz, esse é o objetivo de meu blog.

Eu fui criada em igreja evangélica, meu avó é pastor, enfim, minha família toda é de igreja. Nunca gostei de algumas explicações que me davam quando eu era criança. E como toda criança eu era bastante sensitiva.

Logo quando a minha se separou de meu pai, ela ganhou umas 2 caixas enoooormeeess abarrotadas de livros, desses só uns 3 eram interessantes. Quando nós viemos morar aqui em Niterói minha mãe se desfez desses livros. Estava à procura de um livro, que me explicasse um pouco sobre o que era aquilo, que sempre ouvi falarem tão mal. E foi aí que encontrei largado no quarto do meu irmão o livro do Castañeda, que veio junto daqueles livros. Esse livro mudou a minha vida!

Esse livro faz parte de uma trilogia, e quando acabei de ler esse livro comecei a procurar os outros 2 que faltavam. Minha amiga me ligou e fomos ir uma empresa que ela procurava estágio, passamos em frente a uma sebo... na hora que passamos olhei para ela, e falei: “Eu preciso entrar aí”, ficamos de retornar na volta e encontrei o livro que procurava, comprei por R$ 4,00, o único dinheiro que eu tinha na mão, naquele momento.

Percebi que não era uma religião ruim, era natural e senti muita vontade de entender e aprender mais... e as pessoas falavam que iriam me ajudar, as pessoas me decepcionaram e me atrapalharam . Fiquei muito tempo parada.

Quando comecei a namorar com o Rapha, ele me entendeu e me ajudou, comprou uns livros e foi fundamental para que eu encontrasse os melhores autores.

Os livros, artigos e as coisas que leio sobre minha religião não são nada, se eu não sentisse e cultivasse isso em meu ser. O amor às Deidades e às forças da natureza não foi criado por mim, foi algo que eu sempre tive em meu ser. A busca por respostas aos meus questionamentos, tudo isso foi algo que senti depois que comecei a levar mais a sério o que antes ,era somente uma carência de estudos.

O paganismo, seja ele qual for, é uma flor que nasce dentro de nós e regada a cada novo ensinamento assimilado, que floresce em cada ritual e cresce com a maturidade. Ela não é nada mais que isso! Caso você tenha esse sentimento, você realmente deve procurar qual área do paganismo que você mais se identifica, e siga em frente... é assim que deve ser...

Espero que esse post agude vocês a entenderem um pouco desse sentimento pagão.

Agradeço o carinho de todos vocês!

Beijinhos


1 comentários:

Postar um comentário