quarta-feira, 12 de agosto de 2009

As Deidades wiccanas....

Oi gente!!!

Gostaram da repaginada? Ficou bonitinho nééé?! Já estava enjoada daquele fundo, rsss...

Hoje eu vou postar de um assunto importante e que levanta muitas dúvidas para aqueles que não conhecem o paganismo. Você deve ser perguntar assim: “Como que eles acreditam em dois Deuses?” Esse tipo de dúvida é muito comum para nós que fomos educados desde pequenininhos dentro de uma visão religiosa monoteísta.

Existe uma lei na física e/ou química que diz o seguinte: para cada elemento, existe outro na natureza opostamente igual e complementar, entendeu? Não? É como dizem no ditado popular, para cada veneno um antídoto. De uma forma mais genérica podemos exemplificar como: o dia/ a noite, a vida/a morte, o homem/a mulher, e por aí vai... Sendo assim, é natural que exista um Deus e uma Deusa, e agora faz sentido?


1º. A Deusa


Ela que é o aspecto feminino, onipresente, imutável e eterna, fonte de infinita sabedoria, da fertilidade e dos cuidados amorosos, adorado como a lua e suas respectivas fases:

• Lua Crescente: a Deusa donzela, em seu aspecto branco, aquela que quer ser fecundada. Ela nesse aspecto é toda a jovialidade, beleza, o fruto ainda verde prestes a madurar, a inocência, a primavera com seu frescor...

• Lua Cheia: a Deusa mãe, em seu aspecto vermelho e mais amoroso, aquela com seu ventre cheio, que espera para dar a luz, que protege, afaga, o verão que aquece a terra...

• Lua Minguante: a Deusa anciã, em seu aspecto negro, o mais sábio, aquela que prepara seus feitiços, que cuida do deus nos seus últimos suspiros e ceifa a sua vida, o inverno frio, que se abate sobre a terra, as almas repousam esperando para que a primavera ressurja.

Existem infinidades de mitologias, que cultuam a diversas Deusas. Nós no paganismo acreditamos em todas elas e as reverenciamos, aprendemos que todas elas são uma só Deusa, o que varia é o seu aspecto.

Quando formos planejar um feitiço devemos sempre nos ater a esses aspectos, as melhores luas são: as luas crescente e cheia, preste muita atenção para observar se na lua nova há lua no céu, a lua negra não é favorável também. Feitiços são mais eficientes quando pensamos no dia, na lua e o lugar.

A Deusa é representada também por pedras, símbolos, aromas, criaturas e cores.

Pertencem a Ela todas as pedras circulares e conchas. Os seus símbolos são: caldeirão, a vassoura, a athame, o sino, a bola de cristal, a taça, o machado, flores de cinco pétalas, o espelho, indumentárias femininas (brincos, colares, etc.), prata... Suas criaturas são: o coelho, o urso, a coruja, o gato, o cão, o ganso, o morcego, a vaca, o golfinho, o leão, o cavalo, a corruíra, o escorpião, a abelha e a aranha. Seus elementos são: a terra e a água, algumas de suas cores são: verde, prata, branco, rosa, azul e preto. Seus aromas têm haver com flores.

Seus rituais são feitos à luz da lua, o que chamamos de Esbats.

2º. O Deus


Ele é o aspecto masculino, fonte de calor de toda vida, tão importante e tão reverenciado quanto a Deusa, Ele não é simplesmente o consorte Dela, é de importância igual. Representado terrenamente como o Sol marca o início das estações, dos equinócios e solstícios, Ele quem impulsiona e rege a roda do ano, sendo assim marcamos seus rituais nas seguintes épocas (atentando para que as datas a seguir foram adaptadas para o Hemisfério Sul e, que estão aproximadas devidas as influências astronômicas como anos bissextos, por exemplo):

• Yule (20 de junho): época do ano com menos sol, é o ponto do ano que marca o renascimento do Sol (do Deus), nessa época faziam-se rituais para acelerar o fim do inverno e assegurar a fartura da primavera, além disso, faz com que todos os bruxos se lembrem que depois da morte há o renascimento.

• Imboloc (1º de agosto): quando a Deusa se recupera após dar a luz ao Deus, longos períodos de luz marcados pelos dias mais longos, com os raios purificadores do sol, por esse motivo e um ótimo período de magias de purificações. É a festa das luzes, comemorando o alto vigor do Deus.

• Ostara (22 de setembro): é o equinócio de primavera, as energias universais mudam nesse dia saindo do repouso do inverno, para a explosão da primavera. Os dias e as noites são iguais mostrando a igualdade das dualidades. As deidades nessa época impelem seu poder para o novo ciclo, fazendo as criaturas se reproduzirem, por isso, é um ótimo período para o plantio e rituais de futuros ganhos.

• Beltane (31 de outubro): onde o Deus é mais viril e marcando assim, o retorno da vitalidade. O caldeirão é o centro, representando a Deusa e sua feminilidade e o Maypole é o símbolo do Deus.

• Litha (22 de dezembro): é o solstício de verão é época de rituais de todos os tipos. Esse período é quando a Deusa e o Deus se encontram e reproduzem-se.

• Lughnasadh (2 de fevereiro): é quando colhemos os frutos, é a primeira colheita do ano. Nessa época o sol nasce ao longe marcando assim, a perda das forças do Deus. A Deusa sabe que sua morte está próxima, mas contenta-se em saber que o carrega em seu ventre.

• Mabon (20 de março): é o equinócio de outono, a última colheita do ano. Aqui os dias e as noites também tem a mesma duração, o Deus se prepara para abandonar o mundo físico e renascer no ventre da Deusa.

• Samhain (30 de abril): marca a morte do Deus, que renascerá no Yule. Se finda a roda do ano nessa data, e todos os feitiços são voltados ao mundo imaterial, em muitos países nesse período se comemora o dia dos mortos. Devemos aproveitar para fazer uma análise do ano e da morte.

Assim como a Deusa, o Deus é representado por pedras, símbolos, aromas, criaturas e cores.

Os elementos referentes ao Deus são: o fogo e o ar. Seus domínios são as matas virgens, desertos e as estrelas e por isso, associam-se os animais selvagens. Pertencem a Ele as pedras pontiagudas, Os símbolos do Deus são: espadas, chifres, lança, vela, ouro, bronze, diamante, foice, flecha, bastões mágicos, tridente, facas, etc. Suas criaturas sagradas são: o touro, o cão, a cobra, o peixe, o gamo, o dragão, o lobo, o javali, a águia, o falcão, o tubarão, os lagartos, entre outros. Algumas de suas cores são: dourado, amarelo, laranja e vermelho. Seus aromas são os mais amadeirados.

Os rituais do Deus são feitos à luz do Sol, são chamados de Sabbats.

Depois disso tudo eu só queria avisá-los que nenhum deles é mais importante que o outro... ambos são responsáveis pela vida.

Mas Hyvi, por que você diz que todas as Deusas são só uma Deusa e todos os Deuses são só um Deus?

Vou responder com uma outra pergunta: Quando seu pai (ou mãe) briga contigo, ele deixa de ser seu pai? Quando ele e sua mãe namoram, eles deixam de ser seus pais? Quando ele está no trabalho e precisa ser mais sério, ele deixa de ser seu pai? Viu só quantas faces tem seu pai, mas nem por isso deixou de ser seu pai, né?!?!

Então, quando você adora à Baco ou Odin, na verdade, você está adorando só um aspecto, uma face do Deus.

A Wicca não prega o bem absoluto, nem o mal, as Deidades tem seus aspectos obscuros sim, mas esses aspectos NÃO são adorados por wiccanos. NÃO é de nossa filosofia o uso de sangue, NEM o sacrifício de animais, ok?!

Acho que esse assunto foi esclarecido!

Beijinhos e bênçãos a todos....


2 comentários:

Postar um comentário